segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

PERDA


Um dia, a felicidade
Bateu na minha porta,
Mas eu não quis atender.
Porque as ilusões
Que me preenchem
Não me deixaram ver
A sua importância...
Em seu lugar ficou apenas
Solidão reprimida por
Ocupo meu tempo de horas vazias
Com um bom livro, escrita e música,
Que são boas distrações
Para alguém como eu, sozinha agora!
Eu acho, eu sei que não estou aqui, mas
Tem alguma coisa estranha
Naquilo que observo, como
Mentiras inacabadas
Dentro da caixa trancada...
Tesouro da velha alma
Perda comum nas histórias
Da tristeza

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo feedback!