domingo, 30 de novembro de 2014

sábado, 29 de novembro de 2014

Novos usos

Todos somos quebrados. Todos nós.
Segundo a teoria do Corpo sem Órgãos, embora nosso corpo seja um conjunto de sistemas interligados, de certa forma vivemos e devemos viver para que ele não se torne algo instrumentalizado que tenha uma utilidade determinada pela cega sociedade.
Segundo este pequeno pedaço da filosofia, talvez a chave para nossa infelicidade e fraqueza de espírito esteja no fato de que o corpo é tratado como algo com função para além de si mesmo, uma função social.
Somos cobrados para agir assim, para nos encaixarmos em padrões que nós mesmos não vemos o quanto são nocivos e paralisantes. Acabamos vivendo como os outros desejam, e não de acordo com aquilo que consideramos o melhor para nós. Limitamos nossas capacidades de percepção das coisas, mesmo as mais simples e físicas.
E a própria sociedade não vê e apenas replica o discurso. É como se ninguém pensasse.
O corpo humano é essa “máquina” (im)perfeita que não deveria ser vista assim. Somos a maior maravilha da natureza e como é que vivemos? Querendo ser máquinas, porque vivemos em um mundo de indústrias e capital; se produz coisas em série e nosso corpo deve ser tratado assim: senta assim, assado, não faz isso, não faça aquilo.
O que prova que estamos longe da verdadeira evolução. Nos concentramos na evolução tecnológica e não a humana. Ela fica bem distante e é muito importante na educação. A capacidade de agir, de pensar, de mudar. O mundo é muito grande e nós ficamos aqui, parados, esperando as coisas acontecerem.
Mas nada acontece. Temos que ir atrás, mas o mundo não quer que o façamos.

Ana Virginia Panerai e Letícia Bolzon Silva

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

A escola é formadora de opinião.
Se é essa atitude que se incute
na cabeça do sujeito, 
é assim que ele vai agir.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

É só vivendo e experimentando por si mesmo, 
chegando perto, observando, que a gente consegue discernir
 o que é bom ou não pra nós e se acostuma 
com os aspectos à nossa volta.

domingo, 23 de novembro de 2014

Não, não é só para ser do contra, muito menos para me contradizer. Eu simplesmente discordo do seu ponto de vista e/ou achei bom fazer algo diferente.

sábado, 22 de novembro de 2014

Chega uma época do ano, mais para o fim, em que eu vou ficando tão cansada. É como se minhas baterias resolvessem começar a esgotar e não consigo fazer nada direito. Desta vez, eu me sinto ainda pior… A bagunça está grande demais para que eu consiga limpar sozinha.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Sobre a música

A música é tudo na minha vida. Quando me faltam as palavras, ela diz o que estou sentindo, e sempre foi minha companhia nas horas de solidão (que não são poucas). Eu acredito nela como as pessoas acreditam na oração.
Ela me traz inspiração, me fazendo entender que a vida é muito mais do que a gente supõe que seja ou que nossos olhos possam ver. Eu acredito que ela venha do coração… De onde saem as palavras, melodias e tudo o mais.
É a minha catarse.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

domingo, 16 de novembro de 2014

Olá!

Sim, faz muito tempo que não posto nada, não é mesmo? Mas a falta de tempo e inspiração é o que tem me impedido de escrever versos. O que tenho escrito ultimamente passa longe disto, mas nem por isto vou abandonar meus queridos seguidores daqui.

Então vamos fazer o seguinte?

Sempre que possível vou postar algum texto meu, qualquer que seja o gênero, para manter o blog atualizado. Nem que para isso precise copiá-los de outros sites onde já foram publicados, com a respectiva data do outro local. Até será bom, espalhará mais o meu trabalho :) Neste tempo em que estive ausente escrevi muito, pensei muito e até publiquei um livro, que será divulgado aqui!

Por isso agradeço desde já a presença e fidelidade de todos aqueles que leem minhas palavras; o feedback de vocês é muito importante para mim. Sem esquecer da paciência, é claro.

Um abraço a todos!

sábado, 15 de novembro de 2014

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Sentir-se normal, para pessoas como eu, não é só ter uma carreira
e ter os mesmos objetivos que os outros. É fazer de modo geral
 o que todo mundo faz, 
com independência e a consciência do livre arbítrio. Até para coisas bem simples.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Reencontrar certas pessoas depois de muito tempo
e ver o quanto elas cresceram e se abriram simplesmente por terem 
conseguido sair da zona de conforto 
me mostrou o quanto isso também é necessário para mim.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Prefiro ter poucos amigos e ter a certeza de que são verdadeiros do que estar rodeadas de pessoas vazias e que em nada me acrescentam.

domingo, 9 de novembro de 2014

Quem não cansa de vez em quando, ainda mais se passa quase todos os dias por situações incômodas?

sábado, 8 de novembro de 2014

Eu não quero respostas prontas,
 principalmente de gente que não se põe no meu lugar
 para entender o que realmente quero dizer, 
o que realmente sinto.

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Sobre respeito

Eu sei que desde pequena fui ensinada a respeitar os outros. Mas acontece que ele deve vir de ambos os lados e a questão da idade nesse sentido é praticamente irrelevante.
Claro que muitas vezes começo brigas terríveis e desnecessárias, simplesmente porque sei ser bem grossa com as pessoas. Mas isso não acontece sempre e elas interpretam assim…
Se eu não tenho razão em dizer coisas rudes, que conceito de respeito é esse que alguns me cobram onde tenho que ficar quieta quando as palavras são dirigidas a mim? É difícil de entender.

Letícia Bolzon Silva

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Todos os dias eu tenho que botar na cabeça que não sou diferente de ninguém, mas em certas coisas eu sou sim completamente diferente dos outros. Essas diferenças fazem com que eu muitas vezes me sinta só no meio da multidão; agora que sou consciente disso, isso faz com que eu não me sinta normal… Não de todo.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Não importa o que se faça, 
tudo na vida tem altos e baixos;
a questão maior é lidar com eles.

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

É difícil se sentir confortável quando os outros ao mesmo tempo 
querem que tu tenhas uma vida grande 
e te impedem de viver a mais simples das coisas.

domingo, 2 de novembro de 2014

Ainda passo a limpo os velhos pensamentos que foram 
esquecidos naquela agenda… 
E assim me reencontro com o passado. 
Com a pessoa que fui um dia.

sábado, 1 de novembro de 2014

As pessoas te decepcionam uma hora ou outra. 
Não adianta querer que eles ajam da maneira que você quer,
muito menos o tempo todo.