sexta-feira, 30 de junho de 2017

Be sensual

Shelter my every taste
at tip and water of your tongue
to take right from wrong
but never towards waste.

Sharpen up those eyes
to spot my real beauty
for in the real things are the prize
of loving me ever truly.

Let me crawl into your pores
and embrace your every nerve
in bliss and pain of now and yore
you may or may not deserve.

Fear not, come close
rest at the crook of my neck
having from front and back
scent of more than mere rose.

Stop a second and listen
to the raw music I make
for you might be missing
a reason to remain awake.

29/06/2017

quinta-feira, 29 de junho de 2017

quarta-feira, 28 de junho de 2017

22/02/2017

Dia desses brigaram comigo porque eu não pareço me importar com nada a maior parte do tempo...

A verdade é que tem muita coisa com que eu não me importo mais. Com que gastei tempo e energia física e mental, mas que felizmente hoje vejo que não fazem mais sentido para mim, e das quais estou aos poucos conseguindo me livrar.

Hoje eu já sei muito do que há de sempre ser essencial na minha vida, mesmo que alguns não percebam ou entendam. Pode parecer bobo para eles também, mas não é deles que isso depende.

Se eles soubessem o quão assustador é perceber que aquilo que mais amávamos não faz mais diferença na vida da gente! Ver isso acontecer é uma grande tragédia.

terça-feira, 27 de junho de 2017

19/02/2017

Quero algo que faça meus olhos brilharem de novo e que não deixe que o meu coração perca suas paixões. Quero colocar de vez na cabeça que, apesar da minha dor e raiva, o mundo é muito maior do que eu.

Que não me deixe esquecer que mesmo na hora mais escura eu posso achar um caminho e descobrir o que fazer. Que existe beleza e poesia neste mundo e dentro de mim; que isso não pode se perder, não importa o que aconteça.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

A passagem

Não é porque crescemos
que temos que nos livrar
de tudo o que puder lembrar
daquilo que fomos e, se possível, seremos.


11/04/2017

domingo, 25 de junho de 2017

09/04/2017

Já que sei o quão generosa e egoísta, 
carinhosa e cruel posso ser, 
a chave é encontrar o equilíbrio 
para não esquecer do meu valor, 
nem do dos outros.

sábado, 24 de junho de 2017

11/03/2017

Tenha paciência consigo mesmo
e suas limitações,
principalmente quando
ela não vier
dos outros.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

08/03/2017

As fachadas que pintamos de nós mesmos e dos outros mais cedo ou mais tarde caem, nos empurrando para a realidade de que não adianta nos enganarmos - no fim somos capaz de tudo e carregamos muito mais do que imaginamos dentro de nós.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Unapologetic

You are not divine
but made of fire
and even better - sublime,
for the wonderful things tend to be dire.

Through terror and awe
you bring me to my knees
writing your own law
in the poison of a kiss.

0404/2017

terça-feira, 20 de junho de 2017

14/03/2017

Nem no ápice da paixão 
eu posso esquecer de pensar em mim 
e fazer o melhor por mim; 
muito menos abrir mão da minha liberdade.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

domingo, 18 de junho de 2017

30/03/2017

Tão bom estar em meus vinte e poucos anos sem ter visto nada do mundo ainda com vontade de aprender e encontrando exemplos de atitudes e mentalidades que podem me ajudar a melhorar como pessoa. Na verdade, nunca é tarde demais.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

terça-feira, 13 de junho de 2017

18/09/2015

Não tenho o vocabulário grande e diversificado de um acadêmico ou letrista. Mas me me viro bem com o que sei; talvez porque independentemente disso, as palavras continuam sendo poderosas.

Palavras podem não ter o poder de mudar o mundo, mas é através delas que eu o torno mais fácil de entender e depois, mudá-lo. Os sentimentos são uma coisa tão louca e complexa, e ao mesmo tempo tão singelas, por serem o que são e isso bastar...

Tentar deixar algo tão profundo, tão mutável, tão sensível, e no entanto, tão real, como um substantivo aparentemente definível.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

18/02/2015

Não dá para forçar. Não dá para forçar uma relação que simplesmente não existe. Sejam conversas que existem só de um lado, sejam relações inteiras que são muito desgastadas por circunstâncias como tempo e distância.

Não se trata de egoísmo. Simplesmente as coisas mudam e as pessoas vivem contextos e vidas diferentes demais, então muito pouco ainda os conecta. Mas isso não quer dizer que os envolvidos não se importem uns com os outros. É só que quando um não quer, dois não fazem.

Outra lição que a vida vem me dando...

domingo, 11 de junho de 2017

sábado, 10 de junho de 2017

Música da alma

O silêncio fecha tua boca
pra que tua alma se faça ouvir
tentando a paz garantir
e em melodia se coloca.

Atente para sua letra
soprada num sussurro
de ser luz em dia obscuro
em intenção secreta.

Do contrário, ela um dia grita
por falta de atenção
usando a tua garganta

Para que não sejas hipócrita
com toda tua emoção,
seja ela pagã ou santa.

12/03/2017

sexta-feira, 9 de junho de 2017

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Shot poems I

Sheets of paper with scotch as perfume -
the muses pour another shot and beg for more
having no shame to assume
they are drunk of him to the pore.

He writes a line of misery
and drinks it -
the nine beloveds take that as liturgy
to use as they see fit.

11/03/2017

terça-feira, 6 de junho de 2017

Body, life and freedom

Once upon a time
a pretty boy I met
crossed reason's line
whispering of high bet.

Putting my fate on cards,
he wanted all of me;
however, a queen of hearts
though not in hand, by the end I would be.

Loneliness of the lethal smile
pierced me with seven spades
thinking to possess such guile
I could not see through its charades.

I might have given in to your charms,
but make no mistake -
I may fit well between your arms
but my free spirit is not a fake.

03/02/2017

segunda-feira, 5 de junho de 2017

domingo, 4 de junho de 2017

Bachuss' rites

Come and drink of my wine
while you hear my story
and wait for the sign
that you've reached your own glory.

Like me, be born twice
dancing in the arms of Hedone;
look into the eyes of vice
and let out a moan.

I've walked among men
and seen the animal in their blood
craving a taste now and then
of what it is to be a god...

You, silly boy,
may come and find out
hand to hand, like a child's toy
that I am what I am, no doubt.

01/03/2017

sábado, 3 de junho de 2017

Mother Nature

You, little one,
should remember
better than anyone
to whom you shall surrender.

You owe me worship -
I am goddess and mother
clenching you to my grip,
as we have always belonged together.

You come from my womb
and to me you shall come back
I hold your rise and doom
and soon avenge if you attack.

Mankind was molded from stardust
to help me grow and multiply
but I might be unjust
as to take myself over
if reason you would defy.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

25/02/2017

É estranho para mim pensar nos meus próprios gostos e no que me parece bonito e certo.

Isso porque eu ainda não vi nada em pessoa do mundo la fora a não ser por livros e outras formas de mídia.

É fantástico como parte dessas coisas nasce conosco mas o resto é aperfeiçoado, desenvolvido e adquirido.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

A regret

You are just like my town’s gothic church where I took first communion ages ago, professing a faith that now I see was never any genuine. You are decades of stone upon stone in careful solidness with a sharp and dark index finger pointing to (according to the prayer it took me a while to catch during mass and likely whispered in vain in the few times I took the trouble to do so) what I should aspire to and yet never quite feel wothy of, little as I am.

You are tall walls with a ceiling which remind me of how looking straight at the sky for too long rends me dizzy and breathless, as though I was drowning, pushing me mercilessly back to the ground. You are fearing whispered silences in neutral colors among the echoes of my own steps; tiny shimmering rays of sunshine coming through the few and distant narrow stained-glass windows in an attempt to blow up a new spark of life into objects that I mostly remember under rather annoyingly pale artificial lighting.

You are like the figures, always quite tall and imponent in their graceful and dutiful stagedly static postures and their eyes on slightly bent heads peering over me in expressions of scary and rather depressing over-the-top melancholy in a purity that does not let me return their gaze properly.

Some hiding in the shadows of a few corners, their dead bodies shown as the first step into the holiness of their official representations right above, longing in a sort of neglected jealousy for devotees who certainly more easily remember the Madona the place was named after for her strategic centered place above the altar in what should be the sky an aldult and agonizing version of her famous son turns his head towards a bit sideways.

Others, humble in their popularity, dare to stand near the door for a chance of quick worship in an hour of deep need. Others don’t seem to mind their seats without flowers, for they know their places in Heaven for what the y are told to have done on earth. You are every flower at their feet, you are the wood of the pews hoping not to vacilate under the weight of so many sinful pairs of knees bent in prayers of repent, sincere or not.

You are the golden emergency lights turned on a long confession day that soon became night over the wait for a last excited word and instruction from the priest for the Big Sunday, when he recalls childhood in gestures of big hands and strong voice in the middle of that majestic darkness like the angel from the Revelations; like a dream, quiet and eerie in a way, with no defining shape, causing my heart to pound within my chest and my voice to hesitate while I spoke to the girl next to me. You are like the so-called home of a god I may have never believed in, although I tried. You are the red timid light I was taught the angel held to indicate the spiritual presence of the man over the cross.