terça-feira, 31 de maio de 2016

Tu não podes, nem deves me proteger do mundo. 
Mas me proteges tão bem de mim mesma…

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Não sei mais se acredito em Deus, 
mas tenho certeza de que há muita coisa
que foge ao nosso controle.

domingo, 29 de maio de 2016

Se ouvir é questão de exercício, 
não posso dar uma
abertura para isso a 
quem não me faz o mesmo.

sábado, 28 de maio de 2016

26/11/2011

Muita gente nem faz ideia de quem eu sou, mesmo convivendo comigo todos os dias. Nem imaginam o monte de coisas que tenho dentro de mim ou mesmo o quanto preciso de ajuda para aprender a lidar com os meus pensamentos e saber o que está acontecendo comigo, porque eu sei que muito mudou.

Eu preciso de alguém que me ajude a fazer a dor dentro de mim passar; eu sei que vai passar. Alguém que não me julgue, não me abandone. Quero ir embora daqui; talvez seja o único jeito de eu encontrar a felicidade que mora no cerne da minha alma.

sexta-feira, 27 de maio de 2016

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Antes de ti, embora soubesse do que sempre me incomodou há muito tempo e já houvesse falado disso com outras pessoas de outros jeitos, eu nunca tinha sido tão honesta com alguém, muito menos comigo mesma. Eu não sei como aconteceu, mas eu me senti madura e à vontade o bastante para admitir tudo aquilo a mim mesma e encontrei um lugar seguro, apesar de tu seres tão humano quanto eu. Um lugar onde há entendimento e principalmente aceitação. Foi o mais importante e eu serei eternamente grata por isso. Aos poucos tudo vai melhorar.

quarta-feira, 25 de maio de 2016

30/07/2011

As pessoas dizem que o tempo está passando rápido demais e que elas não têm tempo para si mesmas. Na verdade, isso é só uma impressão. O tempo ainda passa normalmente, mas o ser humano não vive este tempo como se deve, porque perdeu a capacidade de admirar as coisas simples da vida; que nos aproxima da efemeridade do tempo e sua função no mundo.

Não deixe o tempo passar na sua frente, mas não o acelere. Viva, não exista apenas.

terça-feira, 24 de maio de 2016

28/06/2011

De vez em quando, sozinha em meus pensamentos obscuros, me pergunto se um dia vou poder dividir o tanto de amor que guardo dentro de mim com alguém que me ame de verdade e não duvide nunca do que significa na minha vida.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Talvez mais importante do que saber o que vou fazer 
da minha vida amanhã, 
seja lidar com o que me incomoda hoje.

domingo, 22 de maio de 2016

25/06/2011

O que é mais importante?
Será que o corpo não é
mais importante do que as
roupas, ou a alma mais
importante do que
o corpo?

sábado, 21 de maio de 2016

sexta-feira, 20 de maio de 2016

29/07/2011

Tudo o que eu preciso é de liberdade. Liberdade real, não só a que vivo nos meus sonhos mais profundos. Quero ser livre para ser a mulher que estou me tornando, de atender aos meus desejos, para escolher novos caminhos no silêncio das ruas; sem medo do que possam dizer, nem que seja por um único dia na minha vida.

Quero ser tudo o que eu puder ser, dizendo as verdades que aprendi nos livros e com o mundo e escrever tudo o que sinto. Libertar minhas lágrimas de raiva e tristeza, ter um tempo só para mim. Livre para buscar a felicidade enquanto cresço, já que não tenho opção.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

25/02/2016

Será que vou aguentar esperar mais tempo antes de me livrar de tanta toxicidade? Será que mais uma vez vou ter de baixar a cabeça para as circunstâncias e deixar que no fim das contas os outros decidam minha vida, enquanto fico de mãos atadas? Será que por mais um tempo conseguirei cozinhar minha raiva, minha mágoa, que ficarão entaladas em mim como espinhas de peixe na garganta, que só o pão da sagrada liberdade fará descer?

quarta-feira, 18 de maio de 2016

25/02/2016

É triste perceber que algumas partes de mim estão simplesmente morrendo. Primeiro eu perdi minha fé. E agora parece que minha capacidade até de acreditar no amor, de certa forma.

Porque o fato de eu ver pena nos olhos da maioria das pessoas ultimamente e ter sentido como se uma parte de mim não conseguisse conceber o fato de que ele me ama como eu o amo (como se isso só devesse acontecer em meus devaneios) só pode ser um indicativo de que há algo errado.

Eu não quero ser assim. Quero amar e ser amada como todo mundo. Quero acreditar que viverei outros tipos de amor com plenitude, como ele deseja para mim. Quero poder andar por aí e enxergá-lo nas pessoas e nas coisas. Saber aproveitá-lo.

terça-feira, 17 de maio de 2016

Meu lábio cortado
com espinhos afiados
na mordida do arrependimento
do dito e não dito.
Palavras pesadas, que só ferem,
são pronunciadas.
A luz cega meus olhos
a cada amanhecer; a noite
é meu guia…

Tenho tudo a temer
porque minha alma anda presa
num corpo morto e tenta sobreviver.
Sem brilho vejo tudo,
nada é o que parece ser

Verdade, liberdade, paz…

Mentira entalhada,
alienada
enquanto os demônios
estão soltos,
nesse mundo cão

Sem chão

Veneno com gosto de vinho
ao alcance da mão nos supermercados
derrete as vísceras dos desajustados.
Gosto doce, açucarado,
o mal disfarçado.
A vida é um fardo!
Fique surdo e mudo
para não ser julgado.

O caos não é belo,
é sujeira embaixo do tapete
causada por corrupções diárias
com sangue inocente derramado
a vermelhidão, o teu
que suja minhas mãos desde grito
que silenciou tudo

A culpa é minha.

Sonihely Castro e Letícia B. Silva

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Tremor de frio

É estranha
a despedida,
mesmo quando
não é
um adeus.

Por isso
eu demoro
a partida,
pela tua
presença aqui...

Nem mesmo
meu corpo
quer deixar
a paz,
o conforto.

Tu te
foste embora
e levaste
teu calor,
tua mão.

Assim, o
frio voltou
a envolver
meu corpo,
meu coração...

E aqui
fiquei com
aquela falta,
querendo silêncio.

O silêncio
da intimidade
da nossa
parceira solidão;
de fora.

Que aos
poucos permite
que possamos
doar os
nossos ouvidos.

Mas é
um consolo
saber que
mesmo quando
há "barulho"

que parece
sem sentido,
tempo gasto,
ainda é
tempo amado.

Tempo passado
bem junto,
na saudade
sempre presente,
mas suportável;

o contato
comigo basta
para te
fazer feliz,
fazer sorrir.

Mesmo quando
não escavamos
as profundezas
de nossas
velhas almas...

Traz aqui
teu amor,
teu carinho,
porque eu
estou gelada.

domingo, 15 de maio de 2016

29/12/2014

Não quero me colocar na posição de vítima. Exceto por ele, certamente, mesmo que não digam, pessoas para as quais eu desabafo acabam pensando coisas do tipo “puxa, ela está botando toda a culpa nos pais, isso é péssimo!” ou “pobrezinha, olha o que eles estão fazendo com ela”. Isso é a última coisa de que eu preciso.

A maioria delas me dá esses conselhos baratos que no fim das contas não me ajudarão em nada. Até mesmo ele já me sugeriu tentar conversar com meus pais sobre o que sinto, mas hoje ele entende que não vai funcionar.
Pelo menos não agora e não no contexto em que estamos inseridos. Os padrões certamente se repetirão e só vai aumentar o tamanho da bola de neve. Eu já tentei fazê-lo, e a quê isso me levou? Mais introspecção.

Não estou dizendo que quero deixar as coisas como estão. Elas são ruins, não podemos todos morrer sem ter um dia resolvido pelo menos parte dessas questões. Mas isso só acontecerá quando pudermos nos ver por ângulos diferentes. Quando nos afastarmos um pouco e tivermos tempo de qualidade conosco mesmos.

Eu quero entendê-los. Eu quero me entender, ter paz de espírito. Espero pelo dia em que conseguirei tal façanha mais que tudo no mundo. Enquanto ele não chega, tento encontrar meios de suportar o resto do melhor modo possível.

sábado, 14 de maio de 2016

Queimar a dois

Apesar da dor,
eu ainda acredito no nosso amor
porque sei que por onde a gente for
ainda existirá o ardor
que nos une mesmo quando a vida é cruel.

sexta-feira, 13 de maio de 2016

03/07/2011

Enquanto minha mente se mantiver jovem, me sentirei jovem e feliz. É claro que busco a felicidade, mas acredito que os momentos tristes existem pra nos mostrar o quanto somos frágeis e precisamos uns dos outros, e ao mesmo tempo fortes e capazes de trilhar outros caminhos por nós mesmos.

É nessas horas que conhecemos nossas fraquezas e buscamos maneiras de superá-las.

Durante muitas vezes pensei que a tristeza fosse me derrubar e que a alegria não fosse me dar a mão. Mas aí entendi que ela estava apenas fazendo seu trabalho; que não ficaria para sempre porque o mundo é muito grande para que tudo se concentre numa pessoa só.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Alguns anos depois, a quem pode ter me amado

Eu sei que já faz um tempo e que como dizem talvez não seja bom ficar remexendo no passado, mas enfim. Peguei-me pensando em como as coisas teriam sido se houvessem acontecido de outra forma. Gosto de deixar tudo esclarecido e o girar dos ponteiros ajuda nisso. Talvez o que me motivou foi o fato de que desde aquela despedida em que ouvi de ti apenas algumas palavras de forma indireta, nunca mais nos vimos porque a vida quis assim.

Provavelmente, mesmo se eu te perguntasse sobre isso hoje, conhecendo teu jeito, ou tentarias mudar de assunto ou talvez eu nem teria como saber se estás sendo sincero comigo... Claro que sei que existe mais em ti além daquela superfície debochada e até previsível (eu conseguia ver isso), mas como não quis insistir, tudo neste parágrafo é apenas uma suposição.

Se fosse diferente e tu me dissesses que era verdade, que independentemente da imaturidade de certas pessoas para com os sentimentos dos outros tu um dia me amaste, te agradeço outra e infinitas vezes a consideração que tiveste comigo diante daquilo tudo; como eu procurei ter contigo.

Se for verdade, eu repito o que disse naquela época; mesmo que hoje talvez não haja muito ou nada que possamos fazer quanto a isso. Mesmo que ele tenha feito aquilo para debochar de nós e para ter certeza de que estava livre de mim, eu não me permiti entrar no jogo para te usar e simplesmente tapar um buraco. Até foi bom, porque descobri do quê mais ele era capaz.

Foi porque eu vi uma possibilidade de me dar uma chance, pela primeira e talvez única vez em muito tempo eu amaria alguém que sentia o mesmo, me abriria para isso (feliz ou infelizmente eu me apaixono com facilidade).

Talvez eu nunca saiba o que te levou a esconder o que sentias por tanto tempo, se foi mesmo o caso, ou por que a opinião dos outros parecia tão importante para ti como fui levada pensar (o que me faz questionar se tu não tinhas vergonha de mim e do que eles pensariam de ti se estivesses comigo; seja pelo meu jeito mesmo ou até o fato de eu estar numa cadeira de rodas, o que de qualquer forma eu dispenso e acho particularmente horrível, mas espero que não).

Se tu tivesses tido coragem de enfrentar teus medos, quaisquer que tenham sido, eu teria aberto meu coração, ido atrás do que poderíamos ter oferecido um ao outro. Se tu tiveres mesmo me amado e tivesse tomado alguma atitude quanto a isso, eu teria investido em ti e honrado teu amor.

Eu teria tomado teu carinho como meu e te ofertado tudo de bom e ruim que tinha e tenho. Eu teria sido tua companheira, teria amadurecido contigo enquanto estivéssemos juntos; estava sendo sincera naqueles poemas todos que lembro-me que respeitosamente devolveste a mim com as faces coradas e pedidos de desculpa sussurrados.

Não sei se isso importa agora, mas se um dia tu me amaste, se tivesse sido diferente, a gente teria sido feliz pelo tempo que tivesse durado, pelo menos de minha parte. Tenho certeza que sim. É uma pena, não vou negar.

Sinto-me lisonjeada pelo teu amor, se um dia ele existiu. E te desejo coragem para ires atrás do que quiseres. E que possas dar a alguém que valorize, como eu teria, o que o teu medo guardou, porque por aquele rapaz na época eu já não sentia mais nada. Que não te arrependas do que sentiste e sentes, mesmo quando não dá certo. Que a natureza faça com que a fêmea do quero-quero também queira o macho que a corteja para que tudo fique bem.

Mesmo se não fui o objeto real de tua afeição, meu desejo segue o mesmo.

terça-feira, 10 de maio de 2016

Se ouvir é questão de exercício, 
não posso dar uma abertura para isso
a quem não me faz o mesmo.

quarta-feira, 4 de maio de 2016

terça-feira, 3 de maio de 2016

14/01/15

A noite passada foi uma das piores que já passei na vida. Talvez a pior de todas.
Nunca tinha sentido nada como aquilo antes… O dia inteiro eu engoli aquela vontade louca de chorar que vinha lá de dentro e nada tem a ver com a tpm.  Acho até que estou acostumada com ela; acaba na maior parte das vezes se libertando quando estou no silêncio do quarto, as luzes apagadas.

É como se o que costumo chamar de pesadelo decidisse me atacar com mais força justamente nessa hora, a hora em que eu devia sossegar e dormir. Foi o que aconteceu outra vez, mas numa proporção muito maior do que antes.

Quando o que quer que me faça chorar é muito grande e difícil de suportar, como em contextos assim, os espasmos de choro são mais profundos e duram mais tempo… Desta vez, o que eu sentia era diamantino. Eu não conseguia me acalmar sozinha; chorava cada vez mais alto a ponto de gritar.

segunda-feira, 2 de maio de 2016

02/01/2015

É difícil decidir o que é mais assustador: descobrir e saber lidar com os defeitos dos outros ou os nossos. Se dar conta de que até mesmo as pessoas que mais amamos não possuem apenas grandes virtudes, que nos fizeram admirá-las, mas também muitas coisas ruins.

Se eu, que estou a cada dia vendo isso nas pessoas à minha volta e até em mim mesma, já me sinto confusa, imagina para eles, que convivem comigo? Leva tempo para absorvermos o fato de que ninguém tem a obrigação de corresponder às expectativas de ninguém, que ninguém é perfeito. E é muito complicado perceber que herdamos os defeitos que abominamos em nossos pais.

E um grande problema é que aqueles que mais deveriam entender isso simplesmente esperam o topo de tudo.

Um dia eu já quis que uma pessoa mudasse, mas aí entendi que era furada. Estava só desejando que ela entrasse numa espécie de padrão para que não brigássemos. Tolice minha. Ela mesma muitas vezes engolia coisas que não gostava em mim pelo simples fato de nos gostarmos, até porque me conhece há certo tempo. Só agora eu entendo que esta é a única coisa a fazer.

Claro que ela ainda é jovem e muita coisa muda porque o mundo obriga, mas neste contexto não há outra solução.

Com certeza quando eu viver minha própria vida de verdade, com a minha casa e as minhas escolhas, vou conseguir mudar o que deve ser mudado e aceitar o que faz parte de mim. Aceitar mais facilmente as falhas dos outros e até as deles e as minhas, pois embora nada seja um mar de rosas, vou ficar longe de um ciclo vicioso que esfrega tudo nas caras uns dos outros.

domingo, 1 de maio de 2016

Preciso conhecer outras pessoas e ver o que posso aprender com elas, o que posso sentir com elas. Tanto na esfera emocional quanto física mesmo. Como por exemplo, a paz que ele me transmite quando pega minha mão ou me abraça e o quanto sinto falta disso quando não o vejo.