terça-feira, 6 de setembro de 2016

Verborragia

Deixe-me falar
do amor,
da raiva,
do simples,
do complicado.

Deixe-me falar
do sujo,
do limpo,
do bonito,
do feio.

Deixe-me falar
do interessante,
do entediante,
em metáforas,
ou curto e grosso.

Deixe-me falar
do que deu certo
ou errado,
da dor,
da alegria.

A mesma boca
que sussurra poesia
também sabe gritar palavrão;
nem a alma mais bravia
escapa da podridão.

"A boca fala
do que o coração
está cheio..."

O meu
vive cheio
de tudo.

2 comentários:

Obrigada pelo feedback!