segunda-feira, 20 de julho de 2009

POEMA DA MADRUGADA


Deitada sozinha em minha cama
Eu não consigo dormir
Seu nome minha voz chama
Mas você não pode me ouvir.
Já é alta madrugada
As horas passam devagar
Ouço o cântico da estrada
Esperando o amanhecer chegar.
Meus olhos padecem sob o teto
As palavras surgem sem perecer
Parecendo simples e obsoleto
Me encontro a escrever.
As palavras me surgem aos poucos
Devagar se unem em versos
Sentimentos, objetos soltos
Luz e escuridão subversos.

Um comentário:

Obrigada pelo feedback!