sábado, 27 de junho de 2009

UM MAR DE PALAVRAS


Já não sinto mais a dor de minhas feridas inócuas
Perco meu tempo destruindo lápides internas
E talvez inutilmente
Repondo minhas esperanças perdidas...
Posso agora rir de minha própria tristeza
Ou chorar de dor por minha falsa alegria
Viestes sorrateiro e me trouxeste ilusão.
Escapas entre meus dedos
Como um fio fino de tempo
Afogado na areia movediça.
Me disse um mar de palavras
Que não me trouxeram nada de
Útil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo feedback!