quinta-feira, 18 de junho de 2009

MEU SEPULCRO


Aicítel ou talvez Haras
Assim está escrito no meu sepulcro
Apenas nomes, palavras raras
Onde escondo meu lado mais escuro.
Guardo ali lembranças que deveriam ser apagadas
Que quero muito esquecer, não minto
Diversas coisas que penso e sinto
Páginas viradas,
Algumas, apenas folhas rasgadas...
No meu sepulcro
Jazem flores negras e murchas
Pétalas frias e turvas
Em meio ao seco musgo.
Sobre a suposta lápide
Talvez em letras garrafais
Um bilhete onde diz: Aqui, infelizmente jaz
O íntimo de quem quer encontrar a paz
E que em meu coração reside!
De repente, alguém num carinho seca minhas lágrimas
Nossas mãos ficam próximas...
E ele num doce sorriso fala:
Me deixe talvez ser teu poeta
Conhecer e revelar sua parte secreta!
Assim minha tristeza se cala.
Pelo belo rapaz sou abraçada,
Sinto seus suaves lábios
Instantes eternos, mesmo que rápidos,
E volto pelo mesmo a estar apaixonada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo feedback!