segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Canto V

Sou filha de princesa
Nascida em beira de rio
De frente a calor e frio
Em um fardo que ainda pesa
Havendo de se fazer mulher
E até hoje ter de se provar
Que o pampa um dia fez brotar
Flor que no mapa não quer se perder.

Ana, a do Uruguai
Que entende da ânsia
De viver na distância
Das outras crias de seu pai
E faz do atravessar uma ponte
O que consegue de mais perto
De uma irmã de peito aberto
A dividir o mesmo horizonte.

Cujo colo é mais minha casa
Do que o teto sobre minha cabeça
Mesmo que o mundo faça com que pareça
Que não há mais lugar sob sua asa
E mesmo tendo de quem sabe deixá-la
Sei que merece e precisa de muito mais,
De chances para que vejam ser capaz
De ir além do que seu passado nos fala.

E quem sabe um dia eu volte
Só para ver que a moça da fronteira
Ergueu-se em égua caborteira
Escrevendo para si nova sorte
E me receba, chegada a minha hora
Na realeza de uma saudade
Conservada em lembrança e lealdade
De quem a viu por dentro e por fora.

29/05/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo feedback!