domingo, 6 de agosto de 2017

A jornada

Talvez para me lembrar
que meu espírito é livre
e dar valor ao que tive,
o que me resta é zarpar.

Que do outro lado das fronteiras
as distâncias pareçam mais curtas
e mesmo que sejam duras,
suas glórias se mostrem certeiras.

Para que eu não esqueça de onde vim,
que eu bote os pés para fora daqui
e tome a mim mesma pela mão

em um lar onde eu tiver de ir
feito do que há de melhor em mim
porque não hei de viver em vão.

29/05/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo feedback!