domingo, 4 de dezembro de 2016

O assalto

Rouba-me meu teto,
comida, paz, dinheiro,
roupa e documento.

Mas, ladrão, eu peço!
Deixa-me inteiro,
aqui com meu alento.

Não tires de mim
a ânsia de fazer poesia;
contra terror escuro assim
só conheço uma anestesia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo feedback!