quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

03/10/2016

Não vejo a hora de escrever não apenas sobre os devaneios que constituem a vida que quero para mim, e sim desta mesma vida, com tudo o que ela tiver, como uma concretude, uma prova de que eu nasci para rabiscar minha história com minha letra mais bonita, sem olhar para trás.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo feedback!