sexta-feira, 12 de setembro de 2014

IV

Olá, querido.
Sinto falta do teu abraço. De como ele é diferente dos outros, de tudo o que já experimentei. É uma coisa natural para ti e para mim não tanto, mas é bom mesmo assim. Muito bom. Chego até a me abraçar na cama durante a noite, especialmente quando estou com medo, para ver se reproduzo a mesma sensação.
Sinto falta do modo como pegas minha mão, apertando de leve, com carinho, percorrendo os dedos, as veias salientes. De como isso quer dizer que tu te importas. Ou de como inocentemente repousas a tua em meu joelho, apenas para descansá-la. Ou ainda do formigamento agradável de quando acariciaste meu rosto daquela vez.
Sinto falta dos teus olhos, do perfeito tom de castanho que eles têm, do jeito amoroso como me olhas, mesmo quando eu choro. Da luz que eles adquirem quando nos encontramos pessoalmente depois de muito tempo. Com os anos desenvolvi uma espécie de receio em olhar as pessoas nos olhos, mas acho que contigo isso ainda pode mudar.
Sinto falta de ouvir a tua voz, muito embora meus monólogos muitas vezes te impeçam de falar (não tenha medo de me interromper e/ou mudar de assunto!). Tenho certeza de que com o tempo ainda desenvolveremos um código em que o silêncio será suficiente. Talvez isto já esteja acontecendo.
Sinto falta do teu sorriso e de como tu me fazes sorrir. De como consigo ao teu lado encontrar esses fachos de luz no meio da escuridão profunda. De perceber que por baixo das bobagens que falamos, estamos tentando nos entender, tocar nos assuntos sérios de um jeito que não doa tanto.
Até do teu perfume eu tenho saudade; tu tens cheiro de casa. De estar contigo, do tempo que tiras apenas para me ver ou escrever para mim quando poderia estar com qualquer um, fazendo qualquer coisa. Não sabes o quanto isso me faz feliz. Até nem sei por quê às vezes choro quando conversamos. Enfim.
Tudo é tão simples e tão bom, que mesmo sabendo que a distância não impede que cuidemos um do outro,essas coisas realmente fazem diferença para mim. Talvez para que eu tenha certeza de que são reais. Sei que contigo também é assim.
Eu te amo muito! Quero uma massagem nas costas assim que possível, se não for incômodo, rs.
Da tua irmã, tua neguinha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo feedback!