quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Começo de agosto

Vivo em brasas
como uma labareda
que tudo queima.

Chama que consome
aos outros e
até a si.

Que se alastra
mesmo sem querer
soprada pelos ventos
de cada emoção.

Que se incendeia
em toda alegria,
dor e desejo,
todo grito sussurrado.

Emoção que queima
no calor líquido
de uma lágrima...

Riscada no fósforo
da vida que
não teme queimadura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo feedback!