domingo, 22 de janeiro de 2012

PÓS-VIDA

Na minha escrita
Repito palavras
Que nunca são ditas,
Coisas que nunca ouvi
Mas que já quis dizer.
Luzes distantes
Céus sem chuva
Vidas sem dor
Lugares dos quais abro mão.
A cada palavra que surge
Em meio às verdades
Da pós-vida
Que na graça dos deuses
São ouvidas as orações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo feedback!