terça-feira, 28 de dezembro de 2010

TORTURA I

Meu amorzinho
Te dou minha poesia
E por favor, guarde minha alegria.
Não importa se alguns dias são nublados
Ou se algumas sextas não têm festa
Apenas peço o seu perdão,
Acredite, meu choro é sincero
E ninguém mais passa pela minha mente.
Me dói muito
Que tenha fugido sem dizer onde ia
É uma tortura te perder
Nunca fui um santo
Mas posso melhorar, amor
Aceite minhas desculpas
Porque só com o erros se aprende
E seu coração sempre foi meu!
Não quero dizer adeus
Ou largar o que você diz ser o "osso"
Pra qualquer cachorro.
O inverno sempre molesta as rosas
As macieiras nunca poderão dar pêras
O eterno não pertence aos mortais
E não se podem dar pérolas aos porcos,
Mas não vou desistir.

Um comentário:

Obrigada pelo feedback!