quinta-feira, 9 de julho de 2015

Expiação

Há destinos
piores que
a morte,
disso eu
bem sei.

Como voltar
para onde
o passado
tem gosto
tão agridoce.

Olhar nos
olhos dele
outra vez
e ver
a mim.

O monstro
que sou,
as vidas
que tomei,
o sangue.

Não importa
o quanto
eu tente,
fugir não
é opção.

A culpa,
o medo,
a vergonha,
irão comigo
pelo oceano.

Mereço pagar
com vida
por ser
escravo da
branca lua.

Pescoço quebrado,
corpo pendurado,
sem ar,
é piedade.
Isso, não.

Me torturem,
me matem,
mas não
me levem
até ele.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo feedback!