domingo, 14 de maio de 2017

Nunca submetida

Como é lindo enxergar a diferença entre submissão e rendição... Hoje eu percebo que mesmo nos meus momentos de maior fraqueza, quando achei que tudo estava perdido, jamais cheguei ao ponto de me submeter.

E é assim que eu espero que sempre seja - está na minha natureza, no meu coração humano, animal e feminino, ainda em chamas mesmo nos mais torturantes invernos.

Na verdade, tem sido assim a minha vida toda, em cada parte dela - eu me rendo às situações quando elas me obrigam pelas circunstâncias ou me apetecem, mas sem me submeter a nada nem ninguém.

Continuo querendo o que quero apesar de tudo e fazendo o que quero sempre que possível. A rendição voluntária ou não jamais há de mudar isso.

30/01/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo feedback!